Olhar a toda prova

Como traduzir toda emoção que o esporte carrega
numa imagem?
O que a estética fotográfica nos provoca?
De que maneira a fotografia media a compreensão da
imagem da cultura esportiva?
Por que usar o retrato para transcrever uma
mensagem fotográfica ?

Vamos nos debruçar numa destas questões. O retrato
é o gênero mais utilizado na fotografia desde sua
descoberta na primeira metade do século 19, é parte
determinante nesta cultura visual como diz Nicholas
Mirzoeff. A representação do corpo tem cada vez mais
importância nas formas de comunicação em massa,
como internet, televisão, publicidade e redes sociais.
Nesta mostra, os fotógrafos escolheram este gênero
e focaram suas objetivas para os atletas na tentativa
de traduzirem imageticamente suas perspectivas
sobre a prática esportiva, mapeando uma pequena
parte das atividades desenvolvidas pelo SESISP.
Eles transcenderam uma pretensa estética do
fotojornalismo esportivo, expressaram-se com a
intenção de colocar seus olhares a diversos desafios
técnicos para discutir as implicações culturais,
ideológicas, sociais e psicológicas que imagens
representam.

No seu livro seminal, Sobre fotografia, Susan Sontag
diz: “Mallarmé, o mais lógico dos estetas do século
19, disse que tudo que existe no mundo existe para
vir e acabar num livro. Hoje em dia, tudo que existe,
existe para acabar numa fotografia”. Mostrando deste
modo, como a imagem se torna uma parte vital na
forma como entendemos a nós, aos outros e onde
vivemos e mostrando como estas imagens tornam-se
parte essencial na definição da identidade dos atletas.

Voltando à citação inicial de Allan Sekula, esperamos
que as mensagens fotográficas desta exposição
evoquem questões a respeito da fotografia, do
esporte, e do retrato e de que forma os olhares aqui
colocados a prova favorecerão as inúmeras reflexões.


João Kulcsár
Curador